A história da Editora do Autor, por Rubem Braga

Vinicius de Moraes, Fernando Sabino e Rubem Braga autografam livros em Vitoria, no projeto Encontro marcado_jpg

A Editora do Autor é um marco na história editorial do Brasil. Traduziu Jean-Paul Sartre e apostou em Salinger com seu O apanhador no campo de centeio, recusado pela Civilização Brasileira. Levou lá pra cima o nível das antologias poéticas. Seu feito mais importante, porém, foi dar à crônica a possibilidade de inserir-se de vez no mercado. Foi a editora mais importante para a estruturação do gênero em livro. Recupero crônica de Rubem Braga sobre os bastidores da editora, publicada na Manchete de 01/10/60.

*

braga

Confissões de um jovem editor, por Rubem Braga

Quando meu amigo Juca fundou o “Juca’s Bar”, fiz uma crônica meio alegre meio triste dizendo que o Juca tinha passado para o outro lado do balcão.

Sinto-me um pouco assim agora, virando editor. Certamente nem por isso deixarei de escrever, como o Juca não deixou de tomar seu uísque.

Esse negócio da Editora do Autor (será negócio mesmo?) nasceu de uma conversa minha com Fernando Sabino e outra dele com o Dr. Walter Acosta, autor de um Processo Penal e outras obras jurídicas. Éramos três autores e nenhum de nós tinha queixa de seu editor – muito menos eu, que sou amigo de José Olympio desde o tempo em que ele só tinha livraria em São Paulo. Mas achamos que editando nós mesos nossos livros poderíamos ganhar mais que os tradicionais 10 por cento sobre o preço de capa – e sobretudo editar quanto e quando nos desse na telha. Começaríamos por editar nossos próprios livros; logo acertamos mais dois, de dois amigos do peito, Vinicius de Moraes e Paulo Mendes Campos. Os leitores estão vendo que aí estão três cronistas da Manchete; e se não convidamos o Henrique Pongetti, foi apenas porque os Pongetti também são editores (Gostou do também, Rogério?).

Os amigos Vinicius e Mendes Campos entram como sócios de emergência, pois financiarão apenas seus próprios livros; o poeta lançará a segunda edição (aumentada) de sua Antologia, e Paulo fará um livro de crônicas – O cego de Ipanema, incluindo suas melhores crônicas aparecidas em Manchete. Eu farei um novo livro de crônicas – Ai de ti, Copacabana! e Fernando uma seleção de suas histórias sob o título O homem nu.

Os quatro livros serão lançados em fins de outubro em uma tarde conjunta de autógrafos, e como não confiamos muito em nossa capacidade de atrair público (a não ser o Vinicius, que toca violão e faz samba) estamos pedindo a ajuda de alguns artistas. Caymmi e Bonfá já toparam, o que não é dizer pouco. É possível que nós quatro, auto-editados ou auto-editores, façamos o mesmo movimento em outras praças do País, a começar por São Paulo.

Mas quando tudo isso estava combinado apareceu Jean-Paul Sartre; encontrei-me com ele na Bahia e falei na possibilidade de publicar em livro suas reportagens sobre a revolução de Cuba que estavam saindo em jornais brasileiros. Jorge Amado opinou a favor, eu me entendi com a Prensa Latina, Sartre fez questão absoluta de abrir mão de seus direitos autorais (é o autor ideal!) e mobilizando vários amigos tradutores e botando a gráfica do bom Borsoi em regime de emergência, fizemos em 7 dias a tradução, o livro e o lançamento do livro no Super Shopping Center, em Copacabana!

Foi uma virada terrível; mas o fato é que agora já nos sentimos editores. Queremos avisar aos jovens autores incompreendidos que eles devem procurar o José Olympio ou o Ênio da Civilização, ou a Globo – enfim, os editores tradicionais, que já têm capital bastante para arriscar em livros de talentos novos. Nós ainda não podemos. Em todo caso estudaremos com prazer qualquer proposta de livro, e pediremos o parecer da Comissão Consultiva para isso designada: o premier Lumumba, o Presidente Kasavubu e o Coronel Mobutu. As decisões favoráveis devem ser tomadas por unanimidade…

O leitor dirá que tudo isso está cheirando a propaganda comercial. Que fazer, se virei homem de negócios? Qualquer reserva para livraria ou pedido para reembolso postal deve ser dirigido à Editora do Autor, Rua Araújo Porto Alegre, 70, grupo 413, Rio, telefone 42-9421. (Achei meio exagerado chamar aquelas salinhas de “grupo”, mas o Acosta disse que isso dá boa impressão no interior).

Anúncios

2 comentários sobre “A história da Editora do Autor, por Rubem Braga

  1. Caro Guilherme, estive no seu Blog pesquisando a “Editora do Autor” que muito me fascina. Recentemente adquiri um livro “Para Viver um Grande Amor” de Vinicius e o mesmo foi autografado por Vinicius, Drummond, Sabino, Paulo Mendes Campos e Otto Lara Resende na mesma noite de 26/11/1962 quando da festa de lançamento simultâneo de seus 5 livros, no Clube dos Marimbás na Av. Atlântica… já li esta crônica na net e a buscava novamente… acabei dando de cara com seu blog e gostei muito do que vi… tenho uma pequena coleção de Drummond&Bandeira e mantenho um Blog com objetivo de ser um “pictorial guide” para colecionadores e estudantes…uma apresentação para as primeiras edições, cujas imagens não são fartas na rede. Caso queira dar uma olhada: http://colecaodrummondbandeira.blogspot.com.br

    Abraço…Pedro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s